Conheça mais sobre Nego Max: o rapper que traz em suas rimas sabedoria, espiritualidade e sensibilidade

Para lançar essa coluna, tive o prazer de bater um papo com o Erickson Max Fortes Pereira, mais conhecido como Nego Max, com 29 anos, que vem ganhando cada vez mais destaque na cena. Natural de Volta Redonda (RJ), porém criado na cidade de Taubaté (SP), o rapper tem diversos trabalhos lançados em parceria com grandes nomes do Rap Nacional, como Sant, Síntese, Leal, Djonga, entre outros.

Crédito: Vitor Ledier

Com criação extremamente rígida por seus familiares religiosos, Nego Max teve uma educação bastante regrada, onde sua vida social era considerada por ele “limitada”. Com seus 19 anos começou a trabalhar e ter sua independência financeira, e então teve o seu primeiro contato pessoal com o Rap nos roles undergrounds que ele e seus amigos faziam.

Em 2010 criou o seu primeiro grupo de Rap em parceria com seu primo RBO, Star Choc e o M16, chamado de “Mentes Construtivas”, onde descobriu o poder e a magia que as palavras traziam.

Depois disso, Nego Max integrou a banda “Mister Tchooses”, o permitindo  ter contato com outros gêneros musicais, como o funk, reggae, samba e o rock, “era um verdadeiro ‘Rap-rock’n’roll-psicodelia-hardcore-e-ragga’”, relembra.

Crédito: Vitor Ledier

O rapper me contou sobre a trajetória no RAP, além suas principais influências musicais, planos e sua perspectiva em relação ao mundo espiritual. Confira:

Qual foi o seu primeiro contato com o Rap? Ele aconteceu antes de você frequentar os primeiros roles de Hip-Hop?
Eu nem sabia o que era Rap ainda, era muito pequeno, tinha apenas 9 anos. Tive contato com um álbum do Gabriel, o Pensador. Tava fuçando as caixas de fitas do meu padrasto, e acabei achando essa fitinha dele, de 1993. Lembro que na época ouvi aquilo e pirei! A faixa 6 desse trabalho, que se chama “E Você”, é como se fosse um repente com ele rimando… Muito louco! Fiquei admirado! Depois de uns 3 anos, ganhei esse CD de um amigo, que nem sabia que eu gostava desse trabalho (risos). Então nessa época comecei a conhecer o que era Rap, mesmo não podendo ouvir esse tipo de música em casa.

Como você iniciou sua trajetória no Rap? Você passou por muita dificuldade para ser firmar na música?
Depois de ter sido expulso de casa devido à questões religiosas da minha família, acabei sendo preso em 2011. Em outubro de 2012 fui para São José dos Campos (SP) para arranjar trabalho, estreitei uma amizade que eu já tinha, com o Moita, que é um irmão muito importante pra mim e acabou me chamando para morar com ele durante 1 ano, então foi quando me dediquei mais à vida, deixando o Rap de lado e focando mais para minha estabilização social.
Depois de um tempo trabalhando, o Rap foi pulsando dentro de mim de uma maneira que eu sentia uma “cobrança” da vida pras coisas que eu já tinha feito. Em 2015 lancei meu primeiro disco, que se chama “Testemunha Criação”, e foi onde tudo aconteceu: larguei o serviço e comecei a me dedicar 100% para isso! E graças a Deus e a ajuda de vários parceiros consegui me estruturar, me manter firme na caminhada e fazer o que estou fazendo hoje!


Quais suas principais referências dentro da música?
Bom, primeiro vou falar dos meus amigos: Síntese, que tem uma importância muito grande na minha formação como músico, como MC, como pessoa. O grupo Distúrbio Verbal, de São José, que me influenciou e ainda me influencia bastante. O Inglês, que lançou um disco em 2015 chamado “Nova Época”, que acho sensacional! O Sarksmo, um MC do ABC, que também contribuiu muito para o meu jeito de pensar. O Sombra do SNJ que foi importantíssimo para a minha formação. A galera do RZO, Emicida, Wu-Tang Clan… Também curto muito bandas como Red Hot Chilli Peppers, Rage Against The Machine, System Of a Down, são grupos que me injetam uma força de revolução, de sair quebrando tudo em nome do povo (risos)!

Crédito: Vitor Ledier

Qual a sua visão sobre o cenário atual do Rap Nacional?
O Rap nacional está vivendo um momento que nunca viveu antes, a globalização ajudou com que a gente pudesse trabalhar com a nossa música, pudesse ser a nossa própria mídia, e assim conseguirmos pagar conta e nos estruturarmos com o dinheiro da nossa arte, do nosso talento. Isso é muito louco! É um momento muito glorioso que o Rap está vivendo.
Porém como tudo tem os seus prós e contras, é complicado também, pois essa facilidade permitiu que pessoas que não têm tanta responsabilidade com a mensagem, com as idéias e com a humanidade – que é o que o Rap pede -, comecem a fazer o Rap. Acabei notando que essa irresponsabilidade se transformou numa competitividade que fez com que o Rap ficasse mais raso. Se você notar a letra dos MC’s hoje em dia, percebe-se que não é algo profundo, que se trata da vida. Fica mais nesse jogo de competição, nesse jogo de “Rap Game”, que não é bem o que o Hip-Hop propaga, ele é união, paz e amor!

Através de suas letras percebemos que você tem uma perspectiva um pouco mais sensível sobre o mundo. O que te influencia para compor?
O que me influencia é a vida! A necessidade de expressar aquilo que estou enxergando, que estou entendendo. Muitas vezes falo para eu mesmo me entender, outras vezes falo para as pessoas coisas que acho relevante, que irão agregar na vida delas, coisas que elas precisam entender.

É perceptível que você relaciona a música com a espiritualidade, através de suas rimas. Como você explica essa relação?
Em primeiro lugar, música sempre foi para contato espiritual. Antes de virar entretenimento e comércio, música sempre foi ritual tribal: para chamar a chuva, para conversar com grandes espíritos, para conversar com os ancestrais… De tempos pra cá que virou comércio, produto. Então eu trago na minha rima toda essa responsabilidade e consciência de que a música é algo espiritual, por isso que as composições tratam disso. Mescla a energia ancestral com algo do futuro, falo do espiritual e do cotidiano urbano. Mesmo vivendo no século 21, em meio à tecnologia, nós continuamos sendo seres humanos encarnados, igual qualquer outro que viveu em qualquer tempo. E dentro de nós mesmos como seres humanos, temos as nossas necessidades espirituais, por isso as composições são assim, por isso o termo “Maloqueiro Astral” – que surge da consciência que estamos no agora, mas ao mesmo tempo a vida acontece em vários planos, em várias dimensões, de várias maneiras. Então temos que trabalhar nossa espiritualidade e acreditar no invisível.


O que une o visível com o invisível? Como relacionamos um com o outro?
O que une é o ser humano – que é um avatar com um espírito dentro. Justamente para trabalhar isso. Podemos relacionar isso através do silêncio. Vivemos numa sociedade muito barulhenta em todos os sentidos, tanto no palpável, como no impalpável; como no visível, quanto no invisível. E dentro disso ficamos dispersos e acabamos nos esquecendo da nossa essência, da nossa espiritualidade. Quando olhamos pra dentro, silenciamos, e lembramos que a vida não é só material e sim que tem uma força que rege a gente – independente do nome que as pessoas acreditam que seja, pode falar que é Deus, Jesus, Buda, Amor, Vibração. Então devemos olhar pra dentro, não devemos nos esquecer de voltar pra realidade depois, é o equilíbrio: pé no chão e cabeça no universo.

Qual a sua inspiração pra não desistir, pra viver no dia a dia em paz e equilíbrio?
É acordar com saúde, ter idéias boas na cabeça, uma namorada que me ama, amigos que são leais e cuidam de mim. Isso é a maior inspiração para viver! Viver pelas pessoas, viver por você. E só de estar de pé, nós já representamos uma mensagem. Estando encarnado e tendo saúde, tenho que agradecer todo dia e fazer valer a minha estadia aqui na Terra.

Quais foram os trabalhos mais gratificantes que você lançou até hoje?
O meu primeiro disco “Testemunha Criação”, é como se fosse o primeiro filho! O primeiro álbum a gente nunca esquece, eu tenho um amor que não cabe no meu peito por esse trabalho. Depois uma música que fiz com o Djonga, chamada “HeavyMental”, que fiz quando fui pra Belo Horizonte; tiramos uma vivência, sintonizamos e criamos esse som. Gosto demais dessa letra e dessa base. Foi uma experiência única essa viagem! O cypher “Magma” que fiz em São José dos Campos com o Leal, Sant, LK e Marroquino, realizado pela família Matrero. Outro lançamento meu que gosto muito é o “Freestylienígena”, que primeiro saiu no Perfil#28 da Pineapple, e acabou de sair no meu canal a versão 2.0. A letra dela é muito louca, é um divisor de águas na minha vida em questão de energia e questão de escrever. É uma música que é as principais da minha caminhada! Confira abaixo:


Quais são os artistas que você sonha em fazer uma participação?
Tenho muita vontade de fazer um som com o Sandrão, do Rzo, com o Sombra e claro o Mano Brown!!! E gringo, gostaria de fazer com o System Of a Down, Red Hot Chilli Peppers, Method Man e Kendrick Lamar.

Nego Max e Sandrão, RZO.

Qual o significado da música em sua vida?
Posso afirmar pra você que ela é uma das coisas mais importantes que existem no universo! Música é Deus! Depois que você sente uma vez, você não consegue ficar sem! Faz parte da trilha sonora da vida inteira de qualquer ser humano em qualquer idade, a música estará sempre te acompanhando. Se você está triste, terá uma música que vai querer ouvir, se estiver feliz também. Se você é velho ou novo, vai ter uma música que você vai querer ouvir, é para todos os momentos, todos os humores. A música te acompanha em tudo! Tem um poder de transformação, é visceral, faz você rir, faz você chorar. Faz você entender e enxergar o sentido das coisas! A música pode te dar um puxão de orelha de uma maneira gostosa! Você vai aceitar o puxão de orelha e se transformar a partir do que você entendeu.

Para conhecer mais sobre o trabalho de Nego Max, ou ficar por dentro das novidades acesse sua página no Facebook (https://www.facebook.com/negomaxoficial/), no Instagram (https://www.instagram.com/negomax012),  no canal do Youtube (https://bit.ly/2QIZLcm) e todas as músicas estão disponíveis nas plataformas digitais através do link https://www.onerpm.com/al/4072644211.

***Agradecimento especial ao meu amigo Pietro Gomes que colaborou para a produção dessa entrevista.