Confira o sinistro cypher ‘Futuro Breve Presente’

A banca 2Face junto ao grupo Raí Dread & THC X Pinguin decidiram lançar uma série de cypher’s com diversos MC’s de outras bancas e grupos do Rap de Pernambuco. Depois de tudo acertado, foram aos trabalhos e o primeiro resultado desse projeto foi o cypher, intitulado “Futuro Breve Presente“, onde o audiovisual captou a sinistra postura dos artistas já reconhecidos na cena do RapPE, que são: Schnnider, Raí Dread, Seth e Rafael Couto.

Underground puro conciliado aos flow’s ácidos e letras instigantes e compatíveis com a proposta do som, o que já era de se esperar dessa conexão, visto que junta rappers já experientes e cheios de vivência para disseminar em suas músicas. Confira — e logo após conheça um pouco mais dos mc’s participantes:

Trecho da música
“Se eu cantar o certo, eles me matam/ se eu cantar o errado, vocês me idolatram/ a fonte era de vida, hoje jorra sangria/ topo do topo segue morto enquanto Temer ainda assina” -Rafael Couto

Schnneider

Começou em batalhas desde 2011, mas já lançou alguns sons por volta do ano de 2013. Tinha parado por um tempo devido a problemas pessoais, mas voltou a ativa no ano passado já com o lançamento de seu EP e fazendo shows incríveis, além de uma marcante participação no Free Sessions da Vinew Records.

Ouça

Raí Dread

Entrou no Rap no ano de 2012, também pelas batalhas. É um dos integrantes do 2Face e o fundador do grupo Raí Dread & THC X Pinguin, que é bastante reconhecido na cena pernambucana.

Ouça

Seth

Outro que começou desde 2012 e se firmou, de fato, em 2013, quando se integrou ao grupo D’Cortesia que é conhecido por agitar os lugares onde se apresentam. Seu trabalho mais recente é o EP “Pisando em Cacos de Vidro“.

Ouça

Rafael Couto

É conhecido e reconhecido na cena do Rap de Pernambuco pelos seus inúmeros trabalhos, sua postura, com críticas bem argumentadas contra o sistema, pela sua banca, conhecida como “Ibura Bagdá“, que diz respeito ao local onde ele mora. Vários rapper’s e simpatizantes do movimento Hip-Hop em PE se espelham ou inspiram no Couto, e não é a toa.

Ouça