6 melhores introduções de CDs do Rap nacional

Um pouco mais da metade do primeiro mês de 2017, estamos na introdução de um novo ano. Introdução… Mano, você deve se lembrar de quando todos os CDs de Rap tinham introdução, uma pequena sinopse do que seria o disco, era quase um requisito.

As vezes era só uma poesia, ou uma oração, alguns scratchs. Mas uma hora ou outra apareciam verdadeiras obras de arte devido a criatividade ou intensidade. Vamos relembrar agora algumas das melhores introduções de CDs de Rap do Rap brasileiro.

Hoje em dia está cada vez mais raro um álbum de Rap ter introdução, com tanta facilidade de se ouvir de qualquer lugar e em qualquer lugar. Mas a 0800 Crew fez uma introdução muito louca na sua mixtape “Nome Sujo”, onde eles usam colagens para ironizar o próprio disco e o cenário do Rap.

Em seu álbum de estreia, “Financeiramente Pobre”, Slim Rimografia começa o disco entrando num ônibus e vendendo seu trampo para os passageiros: “Eu sou mais um músico da cena do Hip Hop underground brasileiro. E venho lhe trazer o meu primeiro trabalho solo, chamado Slim Rimografia, O Homem Improviso em Financeiramente Pobre…”

Em 2001, SP Funk lançou seu primeiro disco “O Lado ‘B’ do Hip Hop”, com uma introdução que tinha scratchs e colagens completando as rimas deles, com vozes de Sistema Negro, Xis, Código 13, Pepeu, entre outros.

Uma introdução que nem chega a ter a voz de um membro grupo nela, é a intro de “A Marcha Fúnebre Prossegue” do Facção Central. Só uma batida lenta e colagens das vozes de apresentadores de telejornais comentando a censura de um clipe do grupo e indagando se o Facção fazia ou não apologia ao crime.

Era para ser uma introdução ou uma música? Me pergunto isso até hoje quando ouço “Brasil Com ‘P'” do GOG. Fazer um Rap com todas as palavras começando com a letra P… Mano, não tem muito o que falar né?! Foda!

Não podemos esquecer da introdução de “Nada Como Um Dia Após o Outro Dia”, um dos maiores clássicos da música brasileira, que ultrapassou qualquer barreira que existia no rap em 2002, olha que não existia brecha naquela época, eram apenas barreiras para o rap. “Sou + Você” que abria alas para “Vivão e Vivendo” e posteriormente “Vida Loka (Intro)”, a próxima faixa você já sabe qual é né? “Vida Loka, Pt.1”.