‘Vivaz’ de Filipe Ret completa 5 anos

Hoje completam 5 anos que “Vivaz“, segundo álbum de Filipe Ret foi lançado. O seguimento de “Numa Margem Distante” provoca discussão entre os fãs de Ret. Afinal, Vivaz é ou não o melhor trabalho de Filipe?! Preferindo evitar tretas nos comentários da matéria, vamos focar apenas em enaltecer os anos de lançamento desse disco que para muitos é um clássico contemporâneo.

Ret aborda diversos assuntos nas letras desse álbum, abusando das figuras de linguagens e provérbios, as músicas de “Vivaz” devem ter o maior número de legendas nas fotos do Instagram. A produção das batidas é algo para se destacar, Mãolee, RamonzinShadow e Nocivo, capricharam nos boom baps e nos samples, que vão de Minnie Riperton, em “Neurótico de Guerra“, a James Brown, em “D.U.T.U.M.O.B” e “Estilo Livre“,  e Barry White na faixa 9, “Nova Sorte” (que é o mesmo sample usado em “Castelo Triste” do Facção Central).

Daniel Shadow rima em duas músicas, as já citadas D.U.T.U.M.O.B e Estilo Livre, já Nocivo Shomon participa da faixa que o próprio produziu a batida, “A Ronda” e Funkero fez um dos melhores versos da sua carreira em “Libertários Não Morrem“. Você pode preferir “Revel” ou “Vivendo Avançado“, mas seja qual for sua preferência, tem que reconhecer que “Vivaz” é um disco original, com rimas e batidas muito bem feitas. Puro ritmo e poesia.