Thiago Elniño honra a memória de Malcolm X em seu novo clipe, ‘Ubuntu’

Poucas semanas após lançar o bem recebido disco “A Rotina do Pombo”, o MC carioca Thiago Elniño retorna com o videoclipe da música “Ubuntu”, primeiro trabalho audiovisual extraído do disco. A data de lançamento do videoclipe, dia 21 de Fevereiro, não foi escolhida por acaso. Trata-se do aniversário de morte de Malcolm X, importante líder norte-americano na luta  por direitos civis para a população negra dos Estados Unidos do século passado, morto no ano de 1965.

Oitava faixa do disco A Rotina do Pombo, a música Ubuntu tem batida produzida por Scooby Beats e produção do coletivo Estúdio Casa. Nela, Thiago canta sobre a retomada de força e identidade negra através do encontro com um Preto Velho, entidade comum em terreiros de Umbanda. A direção do videoclipe ficou a cargo de Rafael de Toledo.

Thiago respondeu algumas perguntas sobre o lançamento do videoclipe e o contexto em relação ao álbum:

“Ubuntu” faz parte do seu CD “A Rotina do Pombo”, lançado há menos de um mês. Qual critério você utilizou para selecionar essa música para virar um clipe?

Thiago Elniño: Eu respeito muito mais a criatividade e a naturalidade com que a arte vai nascendo e fluindo que uma necessidade comercial de atender a um público/cliente e tal, nisso acabou que a ideia de um clipe para a “Ubuntu” foi a que nasceu primeiro, e sendo assim ta sendo a primeira que ta indo para a pista nesse formato.

O visual do clipe é preto e branco, e contém imagens atuais suas sendo alternadas com algumas fotos e trechos de vídeos históricos. Qual foi a mensagem que você quis passar com essa abordagem audiovisual?

Elniño: Os Black Panthers a todo tempo lutavam pela liberdade do povo preto de um sistema covarde que assassinava o povo preto de diversas formas, uma dessas formas era tirando a sua identidade, os seus valores ancestrais. O que a gente ilustra no clipe é essa referência a eles e a outros heróis pretos como pessoas que desenterram verdades importantes para o povo preto!

Quando toca o refrão (que ocorre duas vezes na canção), temos a aparição de diversos nomes na tela. Fala um pouco mais sobre o contexto dessas citações!

Elniño: São pessoas que em diferentes momentos lutaram pelo povo preto de forma inspiradora, alguns com métodos que eu tenha mais ou menos identificação, mas todos foram de extrema importância em seus erros e acertos por que fundamentaram caminhos!

“A Rotina do Pombo” é um CD conceitual, que conta a história de um jovem negro chamado apenas de “Sem Nome”. A música “Ubuntu” representa qual momento da narrativa da vida deste jovem?

Elniño: Esse é um momento onde o “Sem Nome” ta um pouco sem esperança, sem fé de que possa realizar seus sonhos, sua missão e vai a um terreiro de Umbanda onde uma entidade comum nesses espaços chamada de “Preto Velho” lhe chama atenção de quem ele é, da sua importância e do que poderia ser feito! É algo que pessoalmente acontece na minha vida direto!

Esse foi seu primeiro CD oficial, mas antes dele tivemos os registros “Fundamento” e “Filhos de Um Deus Que Dança” (Mixtape e EP, respectivamente). Como você descreveria seu amadurecimento artístico que ocorreu ao longo do lançamento desses três trabalhos?

Elniño: Mano, doida essa pergunta, por que eu não consigo enxergar amadurecimento, eu fico tão dentro do que produzo, faço de uma forma tão ligada a emoção que para mim é só um processo saca? Eu to falando das coisas que to entendendo ou tentando entender naquele tempo onde lanço algo, dos livros que to lendo, filmes que to vendo, o que eu to vivendo e com quem eu to andando, e ai fica esse espaço para quem ta ouvindo entender se ocorreu um amadurecimento ou não, mas no geral as pessoas tem apontado um amadurecimento e eu fico muito feliz, por que eu to sempre tentando ser o melhor Thiago que eu possa ser, acho que os caras que admiro fizeram o mesmo pela gente!