Créditos: Direção de Arte - Calebe Fernandes; Digital Retoucher - Marcos Nascimento; Direção de Fotografia - Murilo Durães; Concepção - Jun Alcan e PC Santos
Créditos: Direção de Arte - Calebe Fernandes; Digital Retoucher - Marcos Nascimento; Direção de Fotografia - Murilo Durães; Concepção - Jun Alcan e PC Santos

Pelas ruas de São Paulo, Malik lança o EP “Único Jeito”

Em seu EP de estréia, Malik chega apresentando seu mundo. Do ABC Paulista, o rapper usa o trap e o drill para sintetizar a atmosfera e o clima de São Paulo em experiência sonora.

Com mesclas de referências, “Único Jeito” insere a estética sonora do Drill dentro da rítmica brasileira do Rap e do funk paulista. Dentre as influências brasucas, Malik bebe da água dos clássicos Racionais, Sabotage e RZO, mas também do contemporâneo Djonga. No funk, a atmosfera do Mandelão se faz presente. Das inspirações internacionais, Malik se nutre dos Baile Black dos anos 70 e 80 e de artistas europeus como Dutchavelli, Gazo e Pa Salieu. O resultado é um EP que versa sobre a realidade da juventude negra de São Paulo, passeando livremente entre temas mais politizados à pura diversão dos fluxos nas quebradas.

Em “1. Único Jeito”, mergulha na realidade periférica dos corres do cotidiano, em “2. QAP”, o produtor musical Jun Alcan é subversivo ao inserir violinos em uma faixa carregada de fina agressividade. No single “3. Sexta-feira”, o artista vem com clima de “sextou” na favela, “contando malote” e mergulha de cabeça na estética e no sotaque do funk paulista de quebrada. Em “4. Não Quero Buxixo”, o rapper pesa a caneta e versa sobre sua impaciência com o racismo e os playboys. E por fim, “5. Cifrões ancetrais”, tem pitadas mais melódica sexy music, abrindo os caminhos para a última, “6. Hennessy, Henessy”, que é ácida e crítica ao narrar a trajetória da periferia no crime.

“Com ÚNICO JEITO vim mostrar ao mundo o que o ABC Paulista é capaz. Todas as neuroses que senti nesses 29 anos de vida estão expressadas nesses versos. O que vi e vivi. É mais do que só música, é um movimento constante da minha energia e das pessoasque me rodeiam. Um grito de liberdade. A primeira vez que ouvi “Fim-de-Semana no Parque”, do Racionais Mc’s, ainda criança, me fez criar o sentimento que me levou a traçar esse caminho. É como se eu não escrevesse as músicas, mas como se elas me descrevessem”, conta Malik.

EP “ÚNICO JEITO“: https://open.spotify.com/album/0VIMqDYDI9KpOLSnKpx1lP?si=nP1NJ3HDRKmzrccK_-ARWQ

FICHA TÉCNICA

Artista: Malik
Produção Musical e Artística: Jun Alcan
Mixagem e Masterização: Jun Alcan
Produção Executiva: Ukindi Produções

Conheça o Malik

Rapper e compositor Malik tem como marca registrada sua versatilidade e interpretação diferenciada. Ainda na adolescência, mesmo sem acreditar na religião, frequentou igrejas evangélicas apenas pela oportunidade de estudar música gratuitamente. Desde então, tem lançado trabalhos relevantes para o cenário nacional, exprimindo em sua música as diversas vivências de um jovem negro na periferia de São Paulo.

Misturando a sonoridade inglesa ao Funk Paulista, Malik navega pelo terreno dos subgêneros Trap e Drill e tem lançado regularmente uma série de singles. 

Em 2016 lançou “Antiquado”, seu primeiro álbum. Seus lançamentos “Rebola Que Fala” e “Toque de SP”, foram selecionados para a playlist oficial de grime e drill do Spotify, Rima Avançada, em 2020 e 2021. Já os singles “Meu Feat é Com Exú” e “Canção de um Pai de Quebrada” (música que acompanha um minidocumentário, abordando a questão de paternidade nas periferias) foram selecionadas pela Deezer para estar em duas de suas playlists oficiais.

O artista já se apresentou em diversos espaços culturais de São Paulo como no Festival Grime CCJ,  Abertura do show do Kyan no Centro Cultural da Juventude. Com seu último show “Tudo Nosso” passou pela Fábrica de Cultura São Bernardo do Campo e Casa de Cultura Raul Seixas.