InVerso e Ravi mostram que Mariana/MG também faz Trap

O Trap já vem se consolidando no Brasil há alguns anos. BC Raff, Recayd Mob, Sidoka, entre vários outros artistas que estão na linha de frente da cena, são os responsáveis por popularizar essa forma de se fazer rap que tem características singulares. Atualmente é quase impossível as batidas não terem influência do Trap, além de tudo o gênero ganhou no Brasil particularidades próprias. Há toda uma cultura de gírias, ad-libs e formas de construção do flow, que estão em torno do Trap. Em Mariana/MG, como já foi mostrado aqui, tem uma cena de Rap que está em ascensão. Com trabalhos sólidos e alguns mais caseiros, mas que trazem a qualidade dos versos feitos no interior de Minas Gerais.

O InVerso é um grupo marianense de rap, formado por Jovem Mendes, Jovem Sore, Jovem Maia e Paulo Junior. Eles são fruto da Batalha das Gerais, uma das responsáveis por fazer o rap acontecer na Primaz de Minas. O primeiro som deles saiu em 2016 e teve a participação de DogDu, desde então, os lançamentos não pararam, alcançando números importantes para um grupo que é do interior e impulsiona seu trampo de forma orgânica. Há aproximadamente três semanas eles lançaram o single Fake Friends, com participação de Ravi. Inclusive Jovem Mendes e Ravi já saíram aqui no RND devido ao lançamento do clipe Dior.

“Fake Friends” é um som que tem um refrão que é muito fácil de entrar na cabeça. A ideia da canção é passar uma visão sobre os falsos amigos que aparecem ao longo da vida, os que crescem o olho no que não é deles. O beat de trap foi feito no próprio “QG da Inverso” e quando o som bateu 1k, eles lançaram logo em seguida, “Automática“, música solo de Sore. Um trap com aquele grave batendo bem forte.

Esses dois sons, mostram que o Trap chegou em lugares mais distantes, mas sendo produzido com qualidade, com vontade e de forma independente. A cena de Mariana, Ouro Preto e região tem crescido com o surgimento de muitos artistas, colocando a cara pra bater sem medo de errar e sem medo de acertar também. O futuro reserva muito mais espaço para os artistas do interior.

Ouça abaixo os dois sons: