Foto: Tayane Capelo
Foto: Tayane Capelo

Festival Afro e Indígena valoriza cultura brasileira em documentário musical

Produção audiovisual mescla apresentações com entrevistas e reflexões de pesquisadores das culturas negra e indígena 

Entre os dias 6 e 8 de maio, ocorre a primeira edição do Festival Afro e Indígena, que tem como proposta promover a disseminação cultural através da valorização das raízes brasileiras. Em formato de documentário musical, para além de apresentações musicais a produção é entrelaçada com entrevistas dos artistas convidados, em que falam sobre suas trajetórias musicais, reflexões sobre a arte e as culturas negra e indígena, assim como suas vivências em meio ao isolamento social ocasionado pela pandemia. No lineup de artistas estão Brisa Flow, Edivan Fulni-ô, Gabriellê, Katu Mirim, Miranda Caê e Toinho Melodia. As exibições irão ocorrer pelo canal de Youtube do Festival a partir das 19h.

Divididos em três episódios, com uma hora e meia cada, as narrativas da produção também se compõem com citações de duas figuras importantes neste contexto histórico e cultural, que são o professor, ativista e integrante da Uneafro, Douglas Belchior e de Sonia Barbosa Ara Mirim, liderança do povo Guarani Mbya, da Terra Indígena Jaraguá. A produção foi idealizada pelos músicos e produtores culturais Fabricio Mascate e Phil Lima, com fomento pelo edital Expresso Lab do Programa de Ação Cultural (ProAC).

Neste contexto atual de agravamento da pandemia, e considerando que as populações negra e indígena têm sido as mais afetadas; e de outro lado o setor cultural estar sofrendo inúmeros impactos desde o início da pandemia em 2020, os idealizadores também priorizaram a contratação de negros e indígenas para esta produção. “Entendemos a necessidade e importância de promover o trabalho à essas pessoas, não só dos artistas, mas também de toda equipe técnica envolvida, como gravação, áudio, montagem, cenografia, entre outros envolvidos na construção destas apresentações’, comentam Phil e Fabricio. 

A ideia inicial era que o evento pudesse ser realizado em um local que tivesse aderência à proposta da produção. A escolha foi pela Comunidade Cultural Quilombaque, localizada em Perus, noroeste de São Paulo, porém com o agravamento das restrições de isolamento social em março, as gravações foram realizadas de forma remota, com redução da equipe técnica de gravação. Os artistas receberam instruções, equipamentos e cenografia para que conseguissem realizar as gravações de suas próprias casas. 

Fabricio e Phil são amigos de longa data, se conheceram quando estudaram Regência na ETEC de Artes, e a relação se deu a partir da formação de um grupo de Bossa Nova. Anteriormente, fizeram juntos projetos como a trilha sonora do documentário “As Mortes de Shakespeare”, o evento “Quintal Sonoro”, e a roda “Samba do Gaiato’, que acontece há dois anos e já chegou a reunir cerca de 15 pessoas tocando. O Festival Afro e Indígena, surge como mais uma oportunidade de proporcionar a reverberação de seus estudos e pesquisas sobre a origem dos saberes que permeiam nossa cultura. “Às vezes as pessoas não sabem dizer o que vem da cultura indígena e que está inserido em nossas vidas, desde coisas simples como por exemplo a tapioca, a rede e o chá matte. Por isso a ideia de trazer de forma simplificada ao público esses ensinamentos sobre a nossa história”, comenta Phil. 

SERVIÇO

Festival Afro e Indígena – Evento documental de valorização das cultura preta e indígena

Datas: 6, 7 e 8 de maio

Horário: 19h (Horário de Brasília)

Canal: Youtube Festival Afro e Indígena
 

Cronograma de apresentações

6 de maio: Gabriellê e Edivan Fulni-ô

7 de maio: Brisa Flow e Miranda Caê

8 de maio: Katú Mirim e Toinho Melodia

Sobre Fabricio Mascate
Músico, compositor, professor de violão e produtor musical, tem em seu currículo as seguintes formações: Técnico em regência e canto coral pela ETEC de Artes no ano de 2015, também formado pela Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP Tom Jobim, onde cursou violão popular de 2014 a 2019. No ano de 2019 iniciou a produção do seu primeiro disco independente intitulado Flor e Ser, onde atuou como compositor, músico, produtor e arranjador, o trabalho deve ser lançado no ano de 2021. Além disso, é fundador e atua como músico, compositor, produtor e oficineiro na roda de samba Samba do Gaiato desde 2018, onde se apresenta semanalmente no centro da cidade de São Paulo. Como professor, realiza aulas particulares de composição, violão e cavaco.

Sobre Philipi Santos de Lima (Phil Lima)
Músico instrumentista/compositor com formação técnica em: Tec. Canto Popular ETEC de artes, Tec. em instrumento Musical – Pronatec, Tec. Regência coral ETEC de artes, Pos tec. Composição e Arranjo- ETEC de artes, Canto Coral – EMESP, Prática de instrumento em música contemporânea – EMESP(Prof. Marco Prado). É membro fundador e atua como músico, compositor, produtor e oficineiro na roda de Samba do Gaiato desde 2018, onde se apresenta semanalmente na cidade de São Paulo. Como compositor, tem em seu currículo a Trilha Sonora da peça de teatro As mortes de Shakespeare e também produziu composições junto a Fábrica de Cultura e a Distribuidora Tratore, juntamente a Socorro Lira, Fabricio Mascate (cantor(a) e compositor(a), no ano de 2019. Membro fundador do projeto “Instinto Orgânico’ (projeto de música instrumental). Passou pelas bandas Alternoid, Banda Berne, Dance of Days, Cristo Bomba e Brisa Flow, Terna Baixaria. Atualmente realiza produções pela FIUME (produtora Artística) onde ocupa o cargo de Coordenação. 

Sobre Brisa Flow
Brisa de la Cordillera, artista ameríndia mais conhecida como Brisa Flow é cantora, compositora, escritora e pesquisadora. Constrói arte a partir da vivência de seu corpo no mundo, criando caminhos que desprendem das amarras da colonialidade. Sua música é um um encontro com as energias da Terra: o fogo e água. Canta poesias que curam com sua voz dos ventos andinos. Desenvolve estéticas artísticas que nos conecta com a Terra, com a Espiritualidade e com a Ancestralidade. Multiplica conteúdos e tece redes entre mulheres e comunidade sobre arte e cultura de Abya Yala (América Latina). Também é arte educadora, graduada em Licenciatura em Música. Mc da cultura Hip Hop, é filha de artesãos araucanos, pesquisa e defende a música indígena contemporânea, a arte dos povos originários e o rap como ferramentas necessárias para combater o epistemicídio.
Instagram

Sobre Edivan Fulni-ô
Edivan Fulni-ô é artista indígena, cantor e compositor, relata em suas canções a realidade dos povos originários, em especial os indígenas nordestinos. Promove assim a quebra dos estereótipos, o contexto histórico, contemporâneo e a Florestania (a floresta como sujeito), além de abordar questões gerais das relações entre humanos e o meio ambiente. Mergulha em vários estilos musicais entre o pop rock ao eletrônico, sem perder a identidade indígena. Edivan Fulni-ô trás em suas apresentações imprevisibilidades, lançando sua mensagem de forma impactante. Seus shows são experiências muito além de sonoras e visuais. Suas composições comovem como louvores de luta, são clamores de consciência e transe em desromantização de cotidiano indígena, que é sagrado, sobre descontruções por um preto índígena, urbano no presente, holofote ancestrofuturista, sobre resistência e descolonização como formas de adiar a queda do céu. Além de canções são tutoriais de respeito e protagonismo da floresta e dos povos que se comunicam com ela.
Instagram

Sobre Gabriellê
Artista paulistana de 24 anos, nascida na zona sul de São Paulo, influenciada pela musicalidade de sua família, desde criança se interessa pelo canto e universo musical. Suas canções abordam suas inquietações acerca do mundo e de si, passeando por diferentes estilos da música preta brasileira, com grande influência do hip hop. Além de cantora e compositora, atua como educadora em projetos sociais e culturais, onde muitas vivências também influenciam e dialogam com o seu trabalho artístico. Lançou em 2019 os singles Fúria e Sede, em 2020 o videoclipe de Oxitocina e atualmente trabalha na produção do seu primeiro álbum previsto para ser lançado em 2021.
Instagram

Sobre Katú Mirim
Katú Mirim é  indígena ascendente do povo Boe Bororo. Rapper, cantora, compositora, atriz e ativista da causa indígena. Katú é reconhecida por suas letras, que através do rap/rock, reconta a história da colonização pela ótica indígena e por levantar questões, até então pouco discutidas no cenário musical atual, como a demarcação de terras, o indígena no contexto urbano, o resgate da identidade e memória, o uso indiscriminado da cultura indígena e o racismo. 
Site

Sobre Miranda Caê
Miranda Caê é uma artista Drag Queen, cantora e compositora da periferia de Guarulhos. Vivida por Jads Siqueira, essa persona foi criada para materializar, fortalecer a mensagem passada pelas músicas autorais que canta, onde falam principalmente das relações humanas, coletivas ou individuais. Miranda canta sobre o afeto, sobre o amor em suas diversas formas, sobre nossa pluralidade como ser e nos faz lembrar que fazemos parte de um todo, Miranda canta sobre comunhão.Atualmente trabalha em parceria com Leo Matheus, músico e compositor da Zona Leste de São Paulo, que também contempla e entrega sua arte para todo esse diálogo.
Instagram 

Sobre Toinho Melodia
Compositor e intérprete, Antônio Freire de Carvalho Filho nasceu em 1950, no Recife. Aos onze anos, retirou-se com a família da capital pernambucana rumo à capital paulista, onde, entre sambas na beirada dos campos de futebol de Várzea da Vila Maria, tornou-se Toinho Melodia. Após passar por diversas escolas de samba da Paulicéia, fazendo fama nas rodas, comunidades e tendo participado de programas televisivos como Samba na Gamboa e Milagres de Santa Luzia, Toinho é reconhecido como um dos grandes compositores de samba da cidade de São Paulo. Em 2018, aos 68 anos, o sambista lançou o seu aclamado disco de estreia, “Paulibucano”. Em 2020, o sambista se reinventa lançando seu novo projeto, “Toinho Dub”.
Instagram