Estudo afirma que samples influenciam nas vendas das músicas originais

No mundo do Rap os samples são fortes aliados nas instrumentais. Misturado com o talento dos DJ’s e Beatmakers, a arte de samplear é sem dúvidas surpreendente.

Mas nem tudo são flores no mundo dos samples, principalmente la na gringa, onde muitos artistas do Rap já sofreram processo por utilizar samples — Temos alguns exemplos como; Kanye West (o rei do sample), Mac Miller, 50 Cent entre outros.

Mas segundo um estudo que foi publicado nos Estados Unidos, usar trechos de outras músicas, vozes, acordes, etc.., pode beneficiar os artistas originais. Para chegar a essa conclusão, W. Michael Schuster, assistente de juiz do Texas, analisou as obras sampleadas no álbum de 2010 do Girl Talk, All Day.

No total, trechos de 350 músicas são usadas no álbum, incluindo faixas de artistas como Black Sabbath, Jay-Z e Britney Spears. Ele descobriu que as músicas tiveram um aumento de vendas no ano seguinte ao lançamento do álbum do Girl Talk, que é oferecido gratuitamente no site do artista.

Segundo Schuster, o álbum do Girl Talk foi escolhido por sua “popularidade instantânea”, o que permitiria comparar as vendas das músicas antes e depois de seu lançamento. Como era de se esperar, as músicas sampleadas que foram hits ou cujos trechos utilizados são mais longos tiveram vendas maiores.

O autor do trabalho diz que “a lei de copyright instrui os tribunais a analisarem o efeito que um suposto uso justo teria no potencial mercado do trabalho original”. Com isso, ele conclui que samplear é um “uso justo”, conceito da lei norte-americana que permite o utilização de conteúdo protegido por direitos autoriais em determinadas circunstâncias.

Escute o álbum usado como base para a pesquisa. Lembrando que não é bem Nacional, nem bem Rap, mas é música de qualidade:

[youtuber vimeo=’http://vimeo.com/17194640′]

Fonte: Estadão e Pode Pá