Projota anuncia o primeiro álbum na Universal Music e fala sobre amizade com Anitta

Entrevista escrita e cedida pela redação do site “Portal POPline”

Uma das atrações do São Paulo Mix Festival nesse ano e indicado ao EMA’s 2014, o Projota conversou com o POPline, adiantou uns detalhes do novo disco “Foco, Força e Fé” e contou sobre sua trajetória, seus ídolos e suas parcerias com Anitta, Karol Conká e Emicida.

projotaimg Entrevista Exclusiva: Projota anuncia 1º álbum na Universal Music e fala sobre amizade com Anitta

POPline: Você é super jovem, só 28 anos, mas já está na estrada há bastante tempo, desde as “Batalhas de Mc’s”. Como foi essa transição até o momento em que você está agora?

R: Eu vivi intensamente cada um dos momentos. É muito doido, quando você vem do nada qualquer coisa já é lucro! Quando eu participava das batalhas, eu não ganhava dinheiro nenhum. As batalhas funcionavam assim, cada Mc dava 1 real e quem ganhava, levava tudo, mas só eram 6! Mesmo assim, vencer já era muito bom. A escolha que fiz na minha vida, de fazer isso e seguir esse caminho já foi uma grande vitória. Me sinto realizado desde o momento que eu consegui pagar as minhas contas através da música. Hoje, tenho a oportunidade de viver um sonho e, como todo moleque que vem da periferia, também posso ajudar a minha família através do rap. Tudo isso já é realidade.

POPline: Em 2010, você lançou a faixa “Pelo Amor”, que ficou em 1º lugar no MySpace, e também gravou a sua primeira mixtape “Projeção”. Como foi esse primeiro momento de gravação? Foi em estúdio?

R: Na real não tinha estúdio! Eu gravava no quarto de casa. Eu tinha um microfone de 200 reais, um computador bem velho com um HD bem ruim e um programinha onde eu fazia minhas próprias batidas de rap… E era levantar da cama e gravar um rap. Eu queimava o CD no computador, colocava nas caixinhas e vendia o meu próprio CD no show, quando descia do palco. Hoje em dia não consigo nem andar direito no meio da galera que vira uma loucura!

POPline: Você já se acostumou com o assédio do público na rua?

R: Hoje eu já acostumei, nem estranho. Acho legal pra caramba, me sinto mal quando não acontece! Quando as pessoas me perguntam assim “Poxa, você não acha chato ou fica nervoso?”, eu falo “Não cara, chato vai ser quando não me reconhecerem mais”. Eu tou vivendo um sonho e não quero acordar tão cedo! Louco é o cara que trata mal o fã!

POPline: No EP “Projeção Pra Elas”, você fez um trabalho com letras mais românticas, direcionado para as mulheres. Qual foi a inspiração ou o motivo para esse trabalho, uma vez que o rap brasileiro, no geral, não tem essa pegada mais feminina?

R: Na real eu quis fazer porque eu tinha – e ainda tenho – um público feminino muito grande. Eu não tinha muitas músicas românticas, vamos dizer que de 40 músicas, 5 eram românticas, mas muito certeiras, elas davam muito certo. Então, quis realmente contemplar o meu público feminino. No fim das contas, foi muito bom porque foi nesse EP que gravei minha principal música até hoje, “A Rezadeira”, que não é muito romântica. Ela conta a história de um ladrão e de sua mãe, então de certa forma uma mulher foi homenageada.

POPline: A gente sabe que você tem fortes parcerias no meio do rap, como o MC Rashid e o Emicida. Você já conhecia essa galera desde o início da carreira ou esse encontro aconteceu depois?

R: O Rashid é meu amigo de infância, a gente começou a fazer rap juntos, a gente aprendeu tudo junto. A gente morava na mesma rua, dava uns rolês nas quebradas, no bairro e começamos a fazer rap. O Emicida eu conheci em 2006, na época das “Batalhas de Mc’s” e por ele ser da Zona Norte também, a gente acabava voltando para casa junto no metrô. Foi aí que eu, ele e o Rashid formamos uma “banca” que se chamava “Na Humilde Crew”. A gente produzia festa, produzia roupas para vender, várias correrias. Depois, eu tive a oportunidade de conhecer vários ídolos meus. Hoje eu tenho música com o MV Bill, com o Douglas do Realidade Cruel e já cantei com o Racionais [Mc’s].

POPline: Como foi para você, que é muito fã dos Racionais MC’s, dividir o palco com o Mano Brown?

R: Foi incrível! Quando recebi o convite da produtora deles, fiquei muito feliz e quando cheguei lá no dia, foi a primeira vez que encontrei os caras. O show foi no Sesc Pompéia, aqui em São Paulo, e foi muito louco. Eu cantando a minha música e o Mano Brown fazendo a dobra da minha música! Eu cantando e ele reforçando a minha letra! Eu só pensava “Meu Deus do céu!”. De arrepiar!

POPline: E como rolou a parceria com a Anitta, a Karol Conká e com a Flora Matos?

R: Tanto a Karol quanto a Flora são grandes amigas minhas há muito tempo. A Flora, eu conheço há muitos anos, desde lá de 2006, da época das “Batalhas de Mc’s”, porque ela também participava. A Karol eu conheci alguns anos depois e é muito parceira minha também. Ela tem uma vibe, uma energia muito boa, todo mundo gosta dela. Um carisma surreal! A Anitta eu conheço há pouco tempo, mas rolou uma sintonia muito grande. A gente fala de música o tempo todo e ela tem uma mente muito aberta. Ela me pede opinião e eu peço para ela também, rola uma troca muito louca.

POPline: Esse ano, você vai participar do São Paulo Mix Festival pela primeira vez. Qual é sua expectativa para esse show?

R: Eu tou muito ansioso! Eu sempre quis ir ao festival, mas nunca tinha dinheiro e ficava tentando ligar na rádio para ganhar ingresso, mas nunca rolou. Agora, eu vou ter a oportunidade de ir pela primeira vez e em cima do palco! Vou ficar lá até o fim, quero ver os shows do O Rappa e do Jota Quest, bandas que eu via na TV, quando era moleque, e que agora vão dividir o mesmo palco comigo – e o melhor, compartilhar o mesmo público. Sei que vai ter muita gente que não conhece meu trabalho e eu vou poder apresentar minha música para essas pessoas. Quando se tem a oportunidade de participar de festivais, um palco só, todo mundo “tá de olho”. É a hora de conquistar mais gente! Quando comecei, eu só queria que duas pessoas ouvissem minha música; hoje meu Facebook tem mais de 6 milhões de “likes”, então “é nóis”!

POPline: Lá no Facebook mesmo, você contou sobre sua indicação ao Europe Music Awards (EMA’s) – “Best Brazilian Act”. Como foi que você recebeu essa notícia do EMA’s?

R: É muito doido, né? Só a indicação já é muito louco. Os artistas que estão indicados estão bombando aqui no Brasil, não é brincadeira. Tá a Anitta, o Guimê, a Pitty, o Marcelo D2 e eu. Me senti muito lisonjeado, muito feliz e honrado por ter sido colocado nessa lista, entendeu? Todos são pessoas que eu gosto, a única que não conheço pessoalmente é a Pitty, mas sou muito fã. Sou muito amigo do D2, do Guimê e da Anitta também, então qualquer um deles vai representar o Brasil muito bem.

POPline: E o novo disco? Você já contou que está sendo finalizado. O que você pode adiantar desse trabalho?

R: A gente já tá em fase de mixagem e eu já gravei todas as minhas vozes. Estamos finalizando uns lances de participações, mas é isso, ainda não posso revelar muito. Posso dizer que o nome do disco é “Foco, Força e Fé” e que vem com singles bombásticos! Vem bomba por aí, o barato

Fonte: Portal Popline