Emicida e BNegão representa o rap no disco ‘Nêgo Roque’ do grupo baiano OQuadro

“Nêgo Roque é o retrato de um ser humano periférico de beleza ímpar, fora dos padrões, que poderia ter nascido em qualquer lugar, mas nasceu no berço da África brasileira. É a favela nerd antenada com o mundo. (…) É o funk do Recôncavo. Maculelê com Jamaica, autonomia e auto-tune. É punk rock no trap.”

Com tais definições, alinhadas em texto reproduzido na contracapa interna da luxuosa edição em CD do álbum Nêgo Roque, o grupo baiano OQuadro procura contextualizar a alquimia sonora que dá o tom do disco independente, recém-lançado pelo selo Isé.

Segundo álbum d’OQuadro, lançado nas plataformas digitais em novembro de 2017, Nêgo Roque chegou ao mercado fonográfico cinco anos após a edição do primeiro álbum do octeto formado por Jef Rodriguez (voz), Nêgo Freeza (voz), Rans Spectro (voz), Ricô (voz e baixo), Rodrigo DaLua (guitarra e synth), Vic Santana (bateria), DJ Mangaio (programações) e Jahgga (percussão).

Álbum gravado em Salvador (BA), com produção dividida entre a própria banda e Rafa Dias, “Nêgo Roque” exporta da Bahia para o universo pop em um som pautado pelo rap, mas miscigenado e turbinado com toques de samba, soul, rock, zouk, beats eletrônicos e ritmos jamaicanos.

O rapper carioca BNegão entra em cena na música-título “Nêgo Roque“, parceria de Jef Rodriguez e Ricô, com o próprio BNegão. Já o rapper paulistano Emicida se junta ao DJ Gug em “Muita Onda“, música assinada por Emicida com Jef Rodriguez, Nêgo Freeza e Ricô.

A capa do álbum Nêgo Roque expõe ilustração de Márcio MFR, vista na foto acima, ao alto.

Fonte: Blog do Mauro Ferreira