Eduardo, ex-Facção fala em vídeo o porque de recusar ir ao "Programa do Jô"

[ads1]Ontem (19), como você já deve saber, saiu uma noticia aqui no RND sobre Eduardo, ex-facção,  ter recusado ir no “Programa do Jô” para divulgação de seu livro “A guerra não declarada na visão de um favelado”, onde sua mulher, em uma postagem no facebook confirmou a recusa e defendeu Eduardo.

E no mesmo dia foi ao ar no canal do youtube “Palestras Eduardo Revolução” uma palestra dada por Eduardo em Embu-Guaçu, na região metropolitana de São Paulo, onde o rapper explica tudo e mais um monte de coisas.

Com crianças brincando ao fundo a palestra tem um inicio onde o rapper faz uma introdução, falando sobre seu livro e uma bela reflexão sobre trabalho e revolução, seguindo um debate com vários assuntos expostos pelo público, entre sua saída do Facção, escola, cotas de faculdade para negros, salário mínimo, a hipocrisia da proibição de drogas e não de bebida, governo , mensalão, o funk, democracia, a postura do rapper diante da televisão onde ele explica muito claramente qual sua postura, entre dezenas de assuntos relevantes, que vale muito a pena você assistir.

“O cara que ta escrevendo a música, tem que ter muita responsabilidade, porque o microfone é poderoso. Dependendo daquilo que você escreve, você pode, ou ajudar seu povo, ou destruí-lo” – Eduardo, sobre o funk ostentação.

A palestra tem um pouco mais de uma hora,  concordando ou não com o rapper é uma ótima palestra para pensar e se informar com o pensamento de Eduardo, pois o rapper é sem dúvidas um grande pensador.

Sobre o programa do Jô, separei o vídeo para vocês verem, um fã pergunta sobre o convite feito para Eduardo ir ao programa do Jô, então o rapper responde:

“Bom, a principio quem me ligou falou que era da produção… entendeu, mas esse é só um dos convites… é aquilo que eu falei; quando você escreve um livro é como se o playboy falasse assim: ‘Ó agora ele escreveu um livro, é intelectual, é da hora, agora você pode colocar com nós, pode vir no nosso programa’. E assim mano, o melhor publico que existe é o publico da periferia, o publico da periferia ta com você independente de você tá na televisão, então não quero ser um hit de verão mano, não quero ser aquele cara que você curtiu por que eu tava no programa, eu quero que você curta minha música, respeite o meu trabalho pelo que eu tenho valor, então é por esse publico que eu quero estar. E mano, me sinto feliz pra caralho estando aqui nesse momento, em vez de estar em um programa de TV.”

Então um fã faz outra pergunta sobre o assunto, e lembrou que o rapper já foi na TV cultura e se recordava que Eduardo tinha gostado, e perguntou, “se o programa liberasse você para falar o que quiser, até falar mal da emissora (Globo), você toparia?”

Então Eduardo respondeu:

“Bom, é uma situação hipotética que realmente não existiria,  por que a globo jamais abriria as portas… para alguém contestar ela, mas de qualquer maneira eu não iria porque eu acho que a revolução é aqui, pra eu estar na televisão primeiro temos que mudar a televisão, temos que tirar aquele poder do boicote, entendeu, realmente  mudar toda a programação, quando a gente tiver um ‘programador’ pelo menos, interessado em mover a periferia, ai sim você pode entrar dentro da televisão, quando o ‘programador’ perguntar pra você: ‘O que vocês querem ver lá?’. A gente quer ver o Rap, a gente quer ver o negro com respeito, o homem da periferia sendo tratado com todo o respeito que ele merece, ai sim você pode até pensar na televisão, nesse momento não, nesse momento infelizmente você tem uma televisão alienadora, uma televisão onde o genocídio é legitimado 24 horas por dia, então eu vejo a televisão como um inimigo.”

Confira o vídeo extraído do canal “Palestras Eduardo Revolução“:

[youtuber youtube=’http://www.youtube.com/watch?v=1N6BYD9jUWc’]

Não deixe de assinar o canal Palestras Eduardo Revolução, para se informar e acompanhar o Eduardo.

Assista toda a palestra, vale a pena: