Mano Brown pretende levar romantismo para o gueto com seu disco solo

O projeto solo de Mano Brown, intitulado provisoriamente Boogie Naipe, chegará com a proposta de resgatar o romantismo no gueto através das contagiantes referências da Soul Music. “Lembra do Tim Maia?! Eu estou tentando fazer aquilo que ele fazia“, exemplifica Mano Brown, em recente entrevista para o programa Metrópolis da TV Cultura — o vídeo está disponível no final da matéria.

De acordo com o que vem sendo apresentado, as referencias do projeto solo são muitas das mesmas que caminharam com o Racionais em seus discos. Além de Tim Maia, podemos esperar inspirações em Marvin Gaye,  Carlos Dafé, Nelson Gonçalves, Nelson Ned, Altemar Dutra, Guilherme Arantes, Amado Batista, Erasmo Carlos, Jorge Ben, Cassiano e Djavan. São essas joias que Brown vem ouvindo no processo de produção do álbum.

Ouça “De Frente por Mar”, faixa vazada do projeto

Em relato à RollingStone, descobrimos que o álbum é influenciado pelo período em que a Disco Funk dominou a cena musical, entre o fim dos anos 70 e o começo dos 80. “Entre o funk e o nascimento do rap, teve a disco. Disco e rap têm a mesma origem no funk, mas a disco veio antes do rap e é isso o que tem me inspirado. Entre 77 e 80, a música virou de cabeça para baixo e funk, disco e rap eram quase que uma coisa só”, analisa o rapper. “O filme Os Embalos de Sábado à Noite também deu uma inspiração.

Trecho clássico do filme “Os Embalos de Sábado à Noite” 

[ytp_video source=”RMcempYIpD4″][su_spacer]

Além Brown, o cantor Lino Krizz também está por trás do projeto que já possui mais de 40 músicas prontas. Entre elas algumas faixas vazadas como: “Foi Num Baile Black”, “De Frente Para o Mar”, “Boa Noite SP“, “Amor Distante” e “Flor do Gueto“.

A ideia é montar uma super banda funk soul e levar a música para o gueto, “Assim como o Racionais“, frisa Brown. “A gente sabe que existe uma mudança radical de diálogo do que é o Racionais para o que é o Boogie Naipe. A gente entende isso… Não existe uma traição, não tá acontecendo uma mudança de direção que possa fazer as pessoas terem receio de a gente ter virado uma outra coisa ou ter ficado mais pop, mais comercial, mais isso e aquilo. É soul music. Música pro gueto”, completa.

Boogie Naipe será uma obra na qual estará estampada “a visão da vida por parte de um mano que vive no limite e sempre está em busca do amor”, disse o rapper para uma edição especial da revista Rolling Stone.

O álbum ainda não tem data de lançamento, se espera que venha ainda em 2015.

Entrevista de Brown para o Metrópolis

[ytp_video source=”ho2mY8h2KZg”]

Fontes: TV Cultura, Revista RollingStone