‘AmarElo’ e a Lenda de Emicida

A sorte é extremamente relativa, existem aqueles que acreditam na sua existência e outros possuem essa fé. Mas até mesmo entre os que crêem na existência dela, ocorrem algumas discordâncias sobre quando algum acontecimento é ação da sorte ou não. Para alguns ser um sujeito bem afortunado, envolve coisas como achar uma grana na rua ou ser dispensado mais cedo do trampo no dia que vai ter um compromisso. Já para outros, pode ter ligação com poder viver um dia após ou outro, ou simplesmente ter coragem de ser quem quer e ter inspiração para expressar isso.
Em 1976, Belchior acreditava ser um “Sujeito de Sorte” por estar são, salvo e forte. Com certeza ele não imaginava que mais de 40 anos depois, sua arte seria utilizada pelo Emicida, pra fazer uma mensagem para quem precisa lutar para se manter são, salvo e forte todos os dias.

Para nossa sorte, à meia-noite de segunda para terça-feira (25), Emicida disponibilizou a música “AmarElo“, com colaboração de Pabllo Vittar e Majur, onde eles são guiados e embalados pela música de Belchior. Logo após, fomos presenteados com o lindo e emocionante clipe da faixa.

É sempre fascinante ver como tudo que Leandro vem fazendo de tempos para cá, deixou de ser apenas lançamentos musicais de alta qualidade e já estão no nível de acontecimentos musicais. Não apenas pela indiscutível qualidade e pelo fato dele ser um dos melhores e maiores Mc’s do rap nacional, mas também por tudo que ele sempre representou. Como ele canta desde “Triunfo“, ele não está preocupado em arrebatar multidões diluindo seus refrões, mas em diluir sua própria vivência e motivação no meio da sua arte, causando a identificação de muita gente. Suas músicas funcionam como um grande RPG, em que já existe uma história principal, porém, dependendo de quem assume os comandos dos acontecimentos, ocorre uma identificação diferente.

Certamente, o discurso do Leandro só evoluiu junto com seu público e fez com que a representatividade que ele sempre trouxe nos seus sons, se apresentasse não apenas nas letras, mas em todos os elementos expostos na experiência artística. A simplicidade e a forma estética com que tudo se encaixa e trabalha em conjunto no que Emicida faz, é algo muito lindo de se ver (ouvir). Podemos dizer que como um artista, ele tornou-se um Avatar.

Calma que já vou explicar, na animação, “Avatar: A Lenda de Aang“, o Avatar é o personagem responsável por manter o equilíbrio e a paz entre quatro poderosas nações, através do poder de controlar os elementos (ar, água, terra e fogo), que representam essas nações. O que isso tem a ver com o Emicida?
Bem, isso é na verdade o que ele também faz, traz equilíbrio. Na forma com que todas as mensagens contidas na arte são balanceadas e atingem a todos, inspiram a todos e dá o protagonismo para quem precisa.
Leandro tem o poder de fazer com que você levante, ande e transforme, mas ele faz com que essa vontade nasça dentro de ti. Por mais que ele simbolize algo muito poderoso dentro de uma esfera social, a missão dele só se completa com o auxílio de cada um, assim como o Avatar.

A simplicidade e força com que tudo é tratado em “AmarElo” é cativante demais e só faz com que tenhamos mais certeza de que somos muito sortudos por vivermos na mesma época que Emicida.