Artista bissexual e não-binária, Nega Preto lança álbum ‘Boiola Retinta’

Mantendo a tradição de lançar álbuns novos a cada três anos, a artista Nega Preto, trouxe em seu trabalho novo um disco repleto de representatividade para pessoas pretas LGBT+, junto de um mini clipe protagonizado por pessoas pretas, em sua maioria queer.

Mesmo com dez anos de carreira na música, foi em 2018 que Nega começou a se envolver com a cena de slam do Brasil, se classificando dois anos consecutivos para o Slam BR como representante dos estados de Rio de Janeiro em 2019 e Minas Gerais em 2020.

Essa vivência gerou em NP a necessidade de expressar tudo o que aprendeu nas viagens a outros estados e nas conexões com outras pessoas racializadas pelo país. Assim, começou a se formar o álbum que, antes, se chamaria “Afro Bi”, mas se transformou em “Boiola Retinta” com o tempo.

Toda a produção foi feita pela própria artista, usando apenas um notebook e um microfone USB em seu escritório. Ainda assim, o álbum se sustenta como uma digna produção de estúdio.

Além das instrumentais, que exploram referências principalmente no funk, no trap e na batucada, o disco conta com colagens de vinte poetas, todas recortadas de suas apresentações no programa de TV Manos e Minas, sendo vários deles conhecidos de NP pela caminhada no slam.

Capa do álbum “Boiola Retinta”

Falando sobre as letras, como já é de se esperar, as faixas abordam muito a cultura preta, bissexualidade e transgeneridade. Na maior parte do tempo, falando de uma forma positiva, diretamente para as pessoas pretas queer, e não apenas criticando o padrão branco hétero cis.

Os músicos que participam do álbum — King Abraba, Yhoung S.M.O.K.E e Tezin do Mine — acrescentam seus pontos de vista como pessoas pretas retintas e não-retintas vindas de outros estados, trazendo mais alguns recortes importantes.

Junto ao lançamento do álbum, veio também um mini clipe que apresenta o conceito do trabalho, exaltando a beleza preta com um elenco composto por pessoas cis e transgêneras, gays, hétero e bissexuais.

A produção do vídeo foi feita em colaboração com a Zibz Produtora, de Petrópolis RJ, a cidade natal da artista, e entregou um resultado único e que nos prepara para toda a experiência que o álbum veio entregar.

Ouça o álbum “Boiola Retinta”, de Nega Preto.

Comentários
Carregando...