Por que devemos conversar sobre Rincon no Colors?

Bom, primeiro, porque é Ricon Sapiência em “Mundo Manicongo”, no Colors. 

Segundo, o canal Colors é uma plataforma de música com estética única, que apresenta talentos excepcionais de todo o mundo, com foco em promover os mais distintos artistas e sons originais, isso de acordo com o próprio canal.

Trago esse som em especial, porque fiquei muito feliz quando o ouvi pela primeira vez. Tudo me trouxe felicidade. A representatividade, a boa lembrança de que nossa música é muito rica e também por alguns reacts engraçados dos gringos. Vale a pena conferir!

Como essa acima. Ela diz não entender, mas afirma que essa é a nova música favorita dela! Ou o abaixo, que também não entende nada haha e foi contagiado pela vibe real do som:

Também encontramos pessoas perplexas com o estilo de Rincon, não é para menos:

E por fim, mais uma pessoa que mesmo não entendendo uma palavra sequer, achou essa somzera incrível:

Que tal curtir “Mundo Manicongo”, agora? Se nunca ouviu, pode preparar os ombrinhos, você será contagiado! “Vammmo Boraaaa”.

E o terceiro motivo, o título da música carrega o nome artístico de Rincon Sapiência, também conhecido como Manicongo. Certo?

A palavra Manicongo, na realidade, é um título para os reis que habitavam a parte centro-ocidental da África, isso no século XIV, no reino do Congo, região que era formada por diversas províncias. Atualmente a localização recebe o nome de República Democrática do Congo, o primeiro país comunista da África. 

Entre os habitantes do Reino do Congo, o comum era a organização de vários clãs compostos por pessoas que acreditavam descender de um mesmo antepassado. 

Em página do facebook, Rincon conta um pouco sobre a ancestralidade dele:

Como parte da minha família é de Minas Gerais, estado onde a cultura quilombola afro-brasileira resistiu e perdurou por muito tempo, a minha avó era envolvida com manifestações da cultura preta como o tambor de crioula, a umbigada e a própria congada, que faz referência direta ao Congo. Foi a partir disso que eu passei a me interessar por essas e outras manifestações ancestrais e foi isso que fez com que a cultura preta de Minas Gerais e do Brasil como um todo estivessem presentes no meu trabalho. Assim, hoje o meu nome artístico agrega também o vulgo Manicongo.

Espero que “Mundo Manicongo” tenha feito você soltar um sorriso e balançar ao menos os ombros neste período tão complicado para o Planeta Terra e para o Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.