A arte de rua resiste

Observar o hip hop é compreender que o termo obra de arte rompeu muros de grandes museus, e se fez presente nas ruas como protesto e resistência ao nosso cotidiano violento, desigual e tecnológico.

Provavelmente com a evolução da produção musical do movimento, você já ouviu falar em hip hop. A expressão artística é oriunda das margens da sociedade norte-americana da década de 70, que unia “em roles” os povos afro-americanos, jamaicanos e latinos, que sofriam com a violência e o descaso social e político.

Mas, hoje, não vou falar sobre rap, e sim sobre grafitti. O estilo de arte democrático é um dos elementos da cultura, que conta também com: MC, DJ, B-boy e B-girl.

Os grafiteiros chamam à atenção através de imagens que expõem questões sociais e também são conhecidos como “writes” (escritores), porque geralmente deixam assinaturas nos trabalhos. Assim, são esses que estão representando as artes plásticas da cultura hip hop.

Antes de continuar com o texto, aqui vai uma recomendação para quem deseja saber mais sobre o assunto. Assista o trailer de “Cidade Cinza“:

Para quem já conferiu antes. Não bateu àquela vontade de assistir novamente? Pois é! Agora te convido para conhecer alguns artistas que fazem sucesso em todo o mundo com a arte de rua ou street art.


Os Gêmeos

Os brasileiros Otávio e Gustavo Pandolfo apresentam pinturas com características oníricas, inspiradas na cultura pop, hip hop e na arte folclórica brasileira. Com personagens de pele amarela, os irmãos retratam todos os assuntos, desde família até comentários sociais e políticos.

Mural em Nova Yorque dedicado ao hip hop

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-4.png
Foto: osgemeos.com.br

E, para quem é de São Paulo, uma boa notícia. Assim que a quarentena acabar, a Pinacoteca irá exibir a mostra “Segredos”, primeira exposição panorâmica da dupla.


Banksy

Britânico, emblemático e misterioso. Até hoje não se sabe ao certo qual é a real identidade do artista, que faz arte na rua ilegalmente e utilizando o estêncil como técnica. Banksy é conhecido mundialmente por produzir obras com críticas ao governo que rotula grafite como vandalismo e também por carregar aversão pela autoridade e poder.

Se você curtiu “Cidade Cinza”, com certeza o filme do artista “Exit Through the Gift Shop”, em português “Saída pela loja de presentes”, vai fazer sua cabeça. Veja o trailer:

Barcode Leopard

Foto autoral

Somos prisioneiros da indústria capitalista? A indústria capitalista está nos tirando de nosso habitat natural? Bansky está protestando contra à negociação ilegal de Leopardos ao redor do mundo? Somos apenas números? A pintura traz inúmeras questões, e é isso que Bansky deseja.

Girl with Balloon

Foto: mocomuseum.com

Criada em South Bank (Londres), acredito que essa seja a pinturas mais famosas do artista. Para quem não se lembra, em 2018, logo após ser leiloada por cerca de 1 milhão de libras, a obra se autodestruiu.


Kobra

Diretamente da periferia de São Paulo para o mundo. Eduardo Kobra é considerado um dos grafiteiros mais famosos do globo, sendo um muralista conceituado por obras emblemáticas e coloridas.

Com 2,5 mil metros quadrados, o artista detém o recorde mundial grafitado do mundo com “Etnias”, que foi feito para celebrar os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016.

Mural Anne Frank em Amsterdam

Foto: eduardokobra.com

Kurt Wenner

Já trabalhou na NASA como ilustrador científico avançado, criando pinturas conceituais de projetos espaciais futuros e paisagens extraterrestres. Wenner é o responsável pela invenção da “Street Art 3D”, e utiliza perspectiva e geometria para criar.

Existe um fato marcante sobre a carreira do artista. Há dez anos, ele dedica um mês, todos os anos, para ensinar estudantes de ensino fundamental a trabalhar com giz de pastel.  Por este grande exemplo, Kurt Wenner recebeu o medalha do centro Kennedy, nos Estados Unidos, por conta da contribuição ao ensino de artes. Merecido!

Dies Irae

Foto: kurtwenner.com

The Tower

Foto: kurtwenner.com

Lady Pink

Sandra Fabara é equatoriana. A artista entrou para a cena no final da década de 70 tagueando muros com o nome do namorado, porque ele havia sido preso e deportado.

Pouco tempo depois, ela abandonou o uso do nome do namorado e começou a utilizar Lady Pink. A partir daí, começou a produzir uma arte mais ousada, pintando muros e vagões de metrô. A grafiteira também é responsável pela LOTA (Ladies of the Arts),  a primeira crew de graffite formada só por mulheres.

Pink Ghetto

Foto: ladypinknyc.com

Jr

Fotógrafo, artista urbano e ativista social. O francês circula entre celebridades de Hollywood da mesma forma que se relaciona com moradores das comunidades mais carentes do mundo.

Uma das obras mais famosas de JR, é ilegal. O artista instalou um andaime na fronteira do México com os Estados Unidos, e instalou uma foto em preto e branco de um bebê com mais de 20 metros de altura, olhando por cima do muro que separa os dois países.

Giants

Foto: jr-art-net

JR utiliza a fotografia preta e branca como marca. O ativista é também um grande aliado da cultura brasileira. O primeiro trabalho dele no Brasil foi “Woman are Heroes”. Inclusive, sempre me emociono. Vale conferir.

O morro da Providência, primeira favela do Rio de Janeiro, em 2009, foi escolhida por JR para receber o projeto da Casa Amarela, que já teve visita da rainha do pop, Madonna. Já que chegou aqui, conheça o projeto também.

No próximo vídeo, você pode conferir o festival Planeta Ginga, que levou artistas como Anitta e Pharrel para cantar na Providência. Enjoy.

E aí, gostou dos artistas aqui selecionados?  Ainda existem inúmeros nomes que estão revolucionando o mundo com arte. E como diz JR com total coerência: “Usar a arte para virar o mundo pelo avesso”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.