De ‘youtuber’ para pioneiro do Lofi HipHop.

Se você é alguém que curtia a época de ouro do Youtube, dentre vlogs e paródias. É provável que já ouviu falar em Pink Guy (George Miller), o japonês bizarro de collant rosa. Assinava também por Filthy Frank e no futuro acabaria assumindo o vulgo ‘Joji’ como cantor de trap lofi.

Nessa trajetória de criador de conteúdo pro Youtube, a musicalidade sempre esteve presente no canal, e dessa forma, vários hits foram postados como Pink Guy, um personagem totalmente egocêntrico e imoral. Os hits mais conhecidos foram de humor ácido e pensamentos problemáticos: “Nickelodeon Girls” por exemplo, cita a atração do cantor pelas atrizes (mais velhas) de ICarly, Victoria Brilhante.

George resolve aposentar os seus personagens por motivos de saúde, e assim, focando em si como músico autêntico e sentimental. No soundcloud, Joji se torna um dos pioneiros do lofi hiphop, onde se firma e começa a renovar sua carreira.

O lofi é um estilo de produção de beats/músicas de baixa fidelidade, muito usado no som experimental, onde a sensação de relaxamento é a levada da sonoridade. Sem o foco na qualidade, o som lofi é bastante usado por barulhos do ambiente, “falhas” com ruídos levemente abafados, sempre com batidas calmas que acabam fazendo a receita de um downbeat de qualidade.

Em novembro de 2017, Joji lança oficialmente pela 88 Rising (gravadora de Rich Brian antigo Rich Chigga) o seu primeiro álbum o EP, “In Tongues”. Com esse lançamento na plataforma, inicia ali um artista ligado ao lofi hip hop music.

Na primeira faixa do EP “IN Tongues”, é notável a presença de lindas melodias de piano e um baixo pesado nos samples, percebe-se o som de sirenes e toda espécie de ambiental e vocais. Enquanto as músicas tem letras com bastante sentimento na escrita, ao juntar com beat, fica único. As mudanças nas melodias do verso ao pré-refrão e ao refrão são a força desta faixa. O synth bate para o baixo pesado e, em geral, os elementos da música são reunidos em perfeita harmonia. Simples e marcante.

O artista já se encontra no 2º EP da sua carreira, “BALLADS 1” foi lançado em outubro de 2018 com 12 faixas, cada qual explorando o sentimentalismo existente no cantor. Em uma mistura de boas sensações, amor, decepções, depressão e tudo que torna Joji um cantor excêntrico. O álbum foi bem recebido pelo público que clama novos lançamentos. Se você não o conhece, chegou a hora de soltar o play e absorver toda a preciosidade sonora que o artista consegue proporcionar.  

8 Comentários
  1. Soniu Diz

    Analise perfeita sobre o Joji, curtir demais!

    1. Camila Alencar Diz

      Gratidão demais <3

  2. Mirov Sky Diz

    post lega! eu conheço os sons desse cara mas não sabia da trajetória dele.
    Particularmente ouço Lo-Fi pra estudar ou faxinar a casa.
    Gostei do seu texto, posta algo sobre Yung Buda, quem sabe até uma análise da música Pleasurekraft! abraço Camila!

  3. Nenezinho da EMPATIA Diz

    amei muito bem escrito

  4. José victor Diz

    muito doido!!! não conhecia o artista mas achei interessante a transição de youtuber para rapper. poste algo sobre artistas nacionais tipo a vida antes da fama do raffa moreira ou do Menor T

    1. Camila Alencar Diz

      Nossa é uma otima ideia, gratidao pelo feedback <3

  5. millena Diz

    muito bom o texto, eu amo as duas fases do Joji, tanto como Pink Guy quanto essa fase de agora, ele evoluiu mto

    1. Camila Alencar Diz

      É notória a evolução dele, tanto de pessoa como música, bicho é excêntrico. Valeu pelo feedback s2.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.