2020, o ano da Aldeia Records!

Direto das Batalhas de Rima, gravadora tem chamado a atenção pelo lançamento de som de vários mc’s e produção de qualidade

O ano era 2005, talvez 2006, meu primo aproveitava que o meu pai trabalhava a noite e me chamava para ir com ele e com uns caras mais velhos para as Batalhas de Rima.

Naquela época eu tinha de 11 para 12 anos, já entendia um pouco do que era o rap por ser fissurado nos versos do Mano Brown, na agressividade do Eduardo, e na maneira debochada em que os manos colocavam no som para tocar “Pião Di Vida Loka” do T$G.

O caminho da Favela Gamboa, em Santo André, até a estação de trem demorava em média uns 30 minutos, tempo que era usado para todo mundo arriscar ser um freestylero, e os versos só eram interrompidos pelas risadas e no momento do rateio para as passagens do trem, isso quando não íamos até a grade quebrada ou então pulávamos ela em algum ponto que os guardas não viam.

As batalhas no Santa Cruz e na Casa do hip Hop, em Diadema, me ensinaram muito, e poder presenciar a fase do rap pós Emicida, que abriu portas para o pessoal da batalha é algo realmente gratificante, por isso, sempre que eu puder vou fazer questão de falar em como as rodas culturais são fundamentais, e não apenas para os mc’s.

Com essa grande expansão da cena, diversas batalhas surgiram pelo Brasil todo, principalmente em São Paulo. Entre elas, a Batalha da Aldeia, em Barueri, tornando-se o maior canal de Batalhas de Rima no Youtube e com milhares de visualizações em suas lives, o público do país todo aguarda ansioso para acompanhar o evento que acontece há 3 anos em SP.

A influência da BDA tem gerado grandes resultados, podemos citar dois grandes eventos realizados em 2019 que foram icônicos, como o Inter Estadual realizado em janeiro, e a festa do aniversário de 3 anos realizada em uma das maiores casas de show de São Paulo, que ficou pequena diante a tanta punch line soltada dentro de um octógono.

Mas não podemos esquecer que quando falamos de Batalha de Rima nós falamos de sonhos também. E a realidade é que a maioria esmagadora dos mc’s que frequentam as rodas culturais não tem a condição de bancar o próprio sonho (que querendo ou não é caro demais), e viver da música.

Talvez um dos maiores feitos pela BDA tenha sido o selo da gravadora, a “Aldeia Records“, dando espaço para os mc’s que tem se destacado nas batalhas.

Em 2019, a gravadora lançou alguns trabalhos em parcerias com esses artistas, alguns atingindo mais de 1 milhão de acessos de maneira muito rápida, coisa que alguns sons de artistas consolidados da cena não conseguem.

Em outubro, a gravadora lançou em parceria com os mc’s Mike, JayA Luuck, Freelipe e Greezy a faixa “Desce“, que já conta com quase 2 milhões de acessos.

Em 2020 tudo indica que será um ano com ainda mais lançamentos de sucesso, e a prova disso foram os lançamentos de dezembro, a faixa “Hortelã” de JayA Luuck, apresenta uma produção audiovisual e artística belíssimas, que merecem toda atenção do público geral do rap nacional. Assim como a “Vida Bandida” que conta com Salvador, Alva, Mike e Freelipe, que esbanjam os versos cantando auto estima e a luta que é viver nas periferias.

A prova de como será este ano é que os manos já começaram com os dois pés na porta com o lançamento da faixa “Rock Lee” do Mike com participação de JayA Luuck, que em uma semana já conta com mais de 500 mil visualizações.

Então vale a pena se inscrever no canal da Aldeia Records e ficar por dentro de todas as novidades.

Confira o novo lançamento: